fbpx

3 passos para economizar no pagamento de impostos

É possível economizar no pagamento de impostos sem sonegar? Perfeitamente possível. Neste artigo, a gente te mostra quais são os três passos para você conseguir reduzir a carga tributária da sua farmácia.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
3 passos para economizar no pagamento de impostos
Sumário

É possível economizar no pagamento de impostos sem sonegar? Perfeitamente possível. Neste artigo, a gente te mostra quais são os três passos para você conseguir reduzir a carga tributária da sua farmácia.

Segundo Wagner Tavares, consultor e sócio-fundador da Avant Fiscal, cerca de 95% das farmácias, no Brasil, pagam impostos indevidamente. A boa notícia é que, desse percentual, 70% pagam além do que devem ao Fisco. Isso significa que a maioria poderá reduzir os gastos com tributos se adotar os três passos sugeridos por Tavares.

Passo 1 – Enquadramento correto

O primeiro passo para pagar menos imposto sem descumprir as normas tributárias é estar enquadrado corretamente em um dos três regimes: Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real. “Estar enquadrado corretamente é determinante para que a farmácia tenha economia no pagamento dos impostos”, afirma o consultor.

Confira também: Qual é o melhor regime tributário para sua empresa?

Passo 2 – Cadastro correto de produtos

O segundo passo, tão fundamental quanto o primeiro, é ter as informações tributárias corretas no cadastro de produtos, pois são elas que servirão de base de cálculo para que o contador faça a guia do imposto. Se o cadastro estiver errado, o cálculo do imposto sairá errado também.

No cadastro, a farmácia deve lançar os códigos de cada produto para pagamento de ICMS, PIS e Cofins. Todos esses códigos vão determinar qual alíquota incidirá sobre o produto. Se a farmácia lançar um código errado, ela vai pagar imposto a mais ou a menos.

“Geralmente, o problema começa no recebimento da mercadoria. Quando o operador da farmácia não entende as regras do setor farmacêutico, ele acaba lançando os códigos que recebe do fornecedor em um arquivo .xml sem conferir. Se esses códigos estiverem errados – e costumam estar – a farmácia vai pagar imposto indevidamente”, alerta Tavares.

Passo 3 – Contratar um contador que entenda de varejo farmacêutico

O contador tem participação fundamental na redução da carga tributária. Não adianta a farmácia estar no regime tributário ideal e ter o cadastro classificado corretamente se o contador não segregar os produtos e não fizer o cálculo da forma certa.

Leia mais:

Como reduzir a carga de impostos da sua farmácia?

Por que pago um contador?

Penalidades quando se paga imposto errado

Não se paga imposto errado apenas quando se sonega. Há casos de se pagar imposto a mais ou a menos devido a erros na classificação dos produtos e no cálculo dos impostos. Paga-se errado sem intenção de fazê-lo. De qualquer forma, a empresa terá de prestar contas ao Fisco.

Em geral, as empresas são auditadas e fiscalizadas pela Receita Federal e pela Secretaria de Estado da Fazendo (Sefaz), ligada ao Ministério da Economia. Devido à tecnologia disponível hoje para cruzamento de dados, é cada vez mais difícil sonegar. Por isso, o melhor caminho é declarar abertamente todos os valores e pagar o imposto devido.

“Se a farmácia for pega em uma auditoria, terá de pagar tudo aquilo que deixou de recolher. E, se os órgãos fiscalizadores entenderem que o não pagamento foi de má fé, a farmácia pode responder por crime contra a ordem tributária. Os valores das multas costumam ser muito altos. Já vi casos de empresários precisarem vender carros e apartamentos para pagar as multas”, conta Tavares.

Casos concretos de economia

Você deve estar se perguntando: “Mas quanto eu conseguiria economizar?”. Essa pergunta é muito específica e a resposta varia caso a caso. Tudo vai depender do regime tributário, da classificação dos produtos e do conhecimento que o contador tiver sobre varejo farmacêutico.

Wagner Tavares, que já atendeu muitas farmácias na Avant Fiscal, tem dois exemplos. No primeiro, uma drogaria com faturamento de R$ 92 mil mensais, depois de corrigir a classificação dos produtos, passou a ter uma economia de R$ 642 por mês.

No segundo exemplo, com faturamento acima de R$ 1 milhão e um cadastro com muitos produtos tributados normalmente, quando deveriam ser por Substituição Tributária, o empresário passou a economizar R$ 37 mil mensais. “Ele sabia que estava pagando muito imposto, mas não conseguia resolver o problema”, conta Tavares.

Se você estiver passando pela mesma dificuldade com a sua farmácia, é hora de rever a contabilidade da sua empresa.

Assista: CONTABILIDADE para FARMÁCIA – Por que você precisa ❓ Descomplica Farma (Ep. 17)

Compartilhe:
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para garantir seu funcionamento correto e proporcionar a melhor experiência na sua navegação.

×